Contagem regressiva para o Abelhudos

Ronilson Araújo: http://twitter.com/ronilsonaraujo

“O Rafael” – Renascimento da Arte em 3D

Na história da humanidade, a parte que esta relacionada a ARTE, nos mostra que a mesma foi responsável por sabermos que caminho trilhou a humanidade, numa época a qual éramos simples homos-sapiens. Como um dos primeiros atos, e ferramentas artísticas, usava as mãos para marcar as paredes das cavernas, esse ato do passado nos mostra o quanto seriamos possessivos. Com o passar do tempo muita coisa mudou, ferramentas surgiram e cada povo tinha uma determinada habilidade em cada setor que surgia na sociedade humana. Os egípcios com suas pirâmides os sírios com seus palácios e jardins amplamente decorados e finalmente os gregos, com suas maravilhosas estátuas, tão perfeitas que pareciam vivas. Depois mergulhamos numa fase de trevas culturais e quando abrimos os olhos à idade média bateu a nossa porta, a princípio parecia que havíamos regredido em nosso talento. Toda a beleza do passado antes de Cristo parece ter se perdido e o homem da idade média enxergava tosco. Claro que isso não era para todos os artistas.
o homem resgatou a beleza e qualidade artística, avançou muito mais, desenvolveu novas técnicas e novos elementos e materiais, cores e ferramentas. Logo depois entramos na arte moderna e arte se tornou mais sentimental e expressiva do que técnica. A visão do ser humano nesse período se constituiu regras e técnicas nas produções artísticas, o que de certa forma ajudou no próximo passo da história da arte. Começamos a entra no Renascimento, e foi nesse período que

o homem resgatou a beleza e qualidade artística, avançou muito mais, desenvolveu novas técnicas e novos elementos e materiais, cores e ferramentas. Logo depois entramos na arte moderna e arte se tornou mais sentimental e expressiva do que técnica. A visão do ser humano começou a buscar novos horizontes, de forma tal que surgiram novos estilos e gêneros e ao entramos no século XX um novo salto, a industrialização. A mesma deu ao homem novas possibilidades e crescimento rápido, de tal forma que na década de 50 surge uma nova máquina, nova tecnologia que mudaria o mundo e o homem totalmente, o Computador a Informática. Com a informática as possibilidades tornaram-se maiores e inesgotáveis a Arte Digital dá ao homem muitos caminhos, com um melhor aproveitamento de tempo.
A Arte Digital também evoluiu e com ela nos maravilhamos com as possibilidades do 3D.
Essa arte reúne de forma precisa toda a evolução artística em uma única ferramenta, más claro que tudo vindo do homem não é perfeito, a vantagens e desvantagens nessa nova fase e ferramenta da arte.
Hoje o mundo respira informática e principalmente o processo 3D, mercados de entretenimento e industriais, explodem e buscam a todo custo o melhor que a informática e o 3D possam lhes dar, daí surgem uma busca incessante das empresas e estúdios de informática, de 3D, por profissionais e artistas que tornem capaz a realização de todos os sonhos e desejos do ser humano.

Continuar lendo

“O Rafael” – Renascimento da Arte em 3D – Parte II

8O Nome da fera é Carlos Alberto Evaristo. Em minha opinião, o melhor artista e professor que já 8conheci. Tive muita sorte de ter conhecido ele. Meu traço, estilo e percepção seriam 8completamente diferentes se eu não tivesse estudado com ele. Ele não tem site, Orkut, nada 8disso. Mora no Rio de Janeiro e tem seu próprio estúdio de artes. Acho que tenho 1% do talento dele. E isso já me faz muito satisfeito. Mas como ele mesmo me ensinou, devemos buscar a evolução sempre.

Quando você esta em atividade com seus trabalhos em 3D, dando aula ou prestando  algum  serviço a empresas, já surgiu algum comentário do quais as pessoas acham  que você desenrola  essa arte sem nenhuma dificuldade?

8Já aconteceu de alguém me ver trabalhando e dizer: “Quando você faz parece fácil”. Mas 8isso também não é algo tão comum na minha vida. Sempre falo do esforço que foi 8aprender aquilo e mostro que tudo aquilo tem um explicação que, uma vez 8compreendida, se torna relativamente fácil. De fato, meu antigo professor e desenho 8artístico, Carlos Alberto Evaristo, quando desenhava todos diziam isso para ele com 8freqüência. Seu talento e experiência são tão grandes que até eu mesmo dizia para ele: ” Quando você faz parece fácil.”

Continuar lendo

“O Rafael” – Renascimento da Arte em 3D – Parte III

Rafael o mercado da indústria de entretenimento, de uns anos pra cá, atingiu um grande patamar de retorno financeiro, fosse com o cinema, games, animações 3D e tantos outros dispositivos de serventia ao cidadão do mundo, quais estúdios você conhece e trabalhos de 3D que você considera muito bom?

No Brasil posso citar a carioca Seagulls Fly (Glo-Beleza) a paulista Vetor Zero (Tartaruga da  Brahma é clássico) além de muitas outras. No exterior, temos a ILM (cinema), Pixar (cinema e  animação) Blur (publicidade e games), Blizzard (games), Konami (games), Epic Games. São tantas  que poderia escrever páginas, porém essas me inspiram até hoje.

n

Em alguns momentos em suas aulas, você sempre faz pequenas citações a um ou outro personagem das Histórias em Quadrinhos. Qual a relação que você vê dessa arte, a Nona Arte com a Arte Digital e mais propriamente com a Arte do 3D?

As duas possuem o mesmo objetivo, comunicação. Porém, o quadrinho possui limitações que acabam enriquecendo. O fato de não ter som e não ter movimento, só simulação, exigiu dos quadrinhos uma necessidade maior de surpreender. Seja no enquadramento (fotografia), nas cores, anatomia, expressão nas cenas de ação, muita simulação de movimento e roteiros bastante fantasiosos, facilitando a imaginação. Se o artista pega esses elementos tão ricos dos quadrinhos, e adapta para a animação 3D, que teoricamente, tem mais recursos, o trabalho pode ficar muito mais interessante. Devemos tomar cuidado com o ponto comum em que muitas produções estão chegando hoje. Deve-se surpreender. Um grande exemplo é a mega produção 300 Esparta. Juntando o realismo do 3D com a estilização dos quadrinhos, podemos achar um ótimo caminho a explorar.

Continuar lendo

“O Rafael” – Renascimento da Arte em 3D – Final

nn

n

Como você vê a presença das crianças e adolescentes no mundo da informática e sua relação emocional no convívio com as outras pessoas?

8Acabei de falar sobre estar aberto para novas mudanças, porém acredito que algumas coisas do 8passado funcionavam e ainda podem funcionar muito bem. Tem detalhes nessa relação “infância 8e mundo virtual” que acho muito bons, outros ruins.
8A tecnologia está cada vez mais presente na vida de todos. Muitas pessoas demoraram em se 8adaptar,

outras, ainda possuem fobia disso. As crianças de hoje estão muito precoces. Estão adquirindo uma capacidade muito grande de trabalhar com tecnologia. Sua capacidade de compreensão da informática é maior do que as outras gerações. Seu contato com o mundo, mesmo que seja à distância, é bem grande. Seu contato com a língua inglesa é mais intenso. Existem muitas vantagens nessa relação.
Por outro lado, para termos uma vida feliz e com sucesso, não88 precisamos apenas de tecnologia. Você não é a única pessoa do88 mundo. Ninguém faz nada sozinho. Existem outras qualidades e88 características que o ser humano deve ter. Precisamos do talento da88 preparar para o mundo. Eu acredito que muitas crianças que88 exageram88 no relacionamento com o mundo virtual, acabam88 ficando88 despreparadas para viver no mundo real. Aquelas que só88 escrevem quando estão na internet acabam perdendo o domínio da88 língua portuguesa. Aquelas que só fazem “amigos” pela internet88 acabam deixando de aprender a se relacionar de verdade. Perdem a88 oportunidade de conhecer pessoas que “existem”. A questão, é que um dia deverão obrigatoriamente entrar no mundo real. Se estiverem despreparadas, sem atenção contínua aos seus princípios, poderão se perder.

Continuar lendo

Rafael Souza – Biografia

Nasci em 1980 no Rio de Janeiro onde morei quase toda minha vida. Com 19 anos iniciei a formação em propaganda e publicidade na Estácio de Sá. Tive que parar algumas vezes e conclui com 25 anos.
Fiz alguns cursos na área até partir para Web Designer. Cursei Web no IBPI durante um ano onde estudei Flash, Dreamwaver, Fireworks e Java Script. Depois iniciei os estudos 3D na Faculdade PUC – Rio. Comecei com o programa 3D Studio Max 2.5. Fiz um curso de São Paulo que acabou não servindo muito. Estudei um ano de desenho artístico no OBERG – Rio, mais quatro anos no estúdio do professor Carlos Alberto Evaristo, o mesmo professor do Oberg. Estudei mais oito meses na impacto quadrinhos do Rio de Janeiro com o professor Carlos Raphael. Lá eu estudei desenho para quadrinhos. Nesse meio tempo, ainda com 23 anos, comecei a estudar escultura por conta própria. Comprei livros, visitei sites e fui aprendendo. Depois de alguns anos, fiz um curso de escultura na Quinta Dimensão com o professor Leonardo. Lá aprendi técnicas diferentes e profissionalizei meu conhecimento. Com 25 anos fiz uma formação de um ano em modelagem e animação de personagens em um curso no Rio de Janeiro autorizado pela Autodesk. Na metade do curso me chamaram para ser professor de lá e comecei a dar aula inclusive para minha turma.
Nessa mesma época, trabalhei numa produtora de animação do SENAC Rio.
Aos 26 anos trabalhei como supervisor de animação e modelagem 3D da grande empresa Med Grupo no setor da Med Produções. Trabalhei fazendo simulações de doenças e funcionamento do corpo humano. Foi um trabalho muito bom de desenvolver. Difícil e empolgante.
Hoje dou aula e construo conteúdo do curso Sinapse na AIS Recife.

Cinema 3D chega finalmente a Pernambuco

Com um atraso de quase dois anos em relação a outros Estados brasileiros, Pernambuco finalmente ganhará, a partir do próximo dia 10, uma sala de cinema com tecnologia 3D (terceira dimensão). O projetor com o sistema funcionará na sala de número 5 do multiplex Box Guararapes, instalado no Shopping Guararapes, localizado na Região Metropolitana do Recife.

De acordo com a direção da Box Cinemas do Brasil, que administra o Box Guararapes, duas produções vão estrear a nova tecnologia no cinema: a animação belga “Mosconautas no mundo da lua” (2008, de Ben Stassen) e o documentário musical “U2 3D” (2007, de Catherine Owens e Mark Pellington), uma das sensações do Festival de Cannes do ano passado.

O valor dos bilhetes para cada sessão 3D será, inevitalmente, mais caro. Em outros Estados brasileiros, onde a tecnologia já é realidade, os ingressos custam cerca de R$ 20, praticamente o dobro do que é cobrado em sessões tradicionais.

Além de Pernambuco, o cinema em terceira dimensão está presente em outras nove salas espalhadas pelo País. O Estado de São Paulo foi o primeiro a adotar a tecnologia, em dezembro de 2006, com a animação “A Casa do Monstro” (2006, de Gil Kenan). No Rio de Janeiro, o cinema 3D chegou em março do ano passado com a também animação “A Família do Futuro” (2007, de Stephen J. Anderson). Nos EUA, o sistema foi inaugurado em 2005.

Para assistir ao filmes em terceira dimensão, o espectador utiliza um óculos especial com lentes polimerizadas de plástico, diferente daqueles utilizados em décadas passadas, em especial nos anos 80, quando era comum acompanhar sessões com óculos de celofane azul e vermelho. Na época, vários filmes foram exibidos com a tecnologia 3D, entre eles os clássicos do terror juvenil “Tubarão 3″ (1983, de Joe Alves, na imagem logo acima) e “Sexta-feira 13 – Parte III” (1982, de Steve Miner).

Mais detalhes sobre a nova tecnologia de 3D em Hollywood, leia a matéria:
Um pequeno Avatar para o 3D, um grande salto para Hollywood